segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Síndrome do Trato Iliotibial

Vou postar aqui algumas matérias sobre a síndrome do trato iliotibial, por se tratar de uma lesão que está atormentando um amigo meu, que está treinando para fazer seu 1º Iron Man. Espero que sirva para acrescentar mais algum exclarecimento.

_____________________________________________________________________________________


O trato iliotibial (TIT) é uma estrututa complexa que se origina nas fascias dos músculos glúteo máximo, médio, mínimo e do tensor da fáscia lata. Expande-se proximalmente para a crista ilíaca como aponeurose glútea e estende-se pela linha áspera e supracondilar lateral como septo intermuscular lateral, fundindo-se ao retináculo lateral da patela e inserindo-se no côndilo tibial lateral e na fáscia da perna.

O trato iliotibial possui uma ampla inserção periarticular, apresentando inserções na:

- Linha áspera, diáfise lateral do fêmur;
- Epicôndilo lateral do fêmur, na mesma região do ligamento colateral lateral;
- Patelar, juntando-se ao retináculo lateral;
- Tubérculo de Gerdy;
- Cápsulo-óssea, também chamada de ligamento femorotibial lateral.

E possui duas expansões:

Expansão para a aponeurose da perna;
Expansão patelo-tibial ou ligamento patelo-tibial.

O TIT está envolvido na estabilização do joelho, funcionando como um sinergista da extensão (até 30º de flexão) e da flexão (após 30º de flexão) e contribuindo para os movimentos rotacionais do joelho.

Não há um consenso sobre a causa, porém estudos recentes mostram que um desarranjo biomecânico é a origem desta síndrome.

A primeira teoria seria uma fraqueza dos músculos abdutores do quadril, que leva ao aumento da tensão no TIT na região do epicôndilo lateral do fêmur. Conforme o aumento da adução do quadril, o braço da alavanca dos músculos abdutores também aumenta, exigindo uma grande força excêntrica desses músculos o que também gera uma grande tensão no TIT na região do epicôndilo lateral do fêmur, resultando na fricção dessas duas estruturas e gerando um processo inflamatório local.

A segunda teoria defende que não é a fricção, porém a compressão de uma gordura altamente vascularizada e ricamente inervada entre a TIT e o epicôndilo lateral do fêmur que leva a esse processo inflamatório.
O importante é que o desarranjo biomecânico causado por contraturas e deficiências musculares e os desvios angulares dos membros inferiores levam a uma das duas teorias para esta lesão.

Os sintomas mais comuns são:

Dor lateral do joelho, na região do epicôndilo lateral do fêmur;
Crepitação;
Ressalto e;
Edema.

E o tratamento deve ser baseado no ajuste biomecânico, que apresenta melhora em 90% dos casos.
- - - - - - - - - -
Ft. Vinícius S. Bastoni

_____________________________________________________________________________________

A Síndrome do Trato Iliotibial é uma lesão inflamatória aguda comum em ciclistas, corredores (é conhecida também como “joelho do corredor”) e em outros atletas que praticam atividades envolvendo flexão repetitiva do joelho.

Caracteriza-se por uma dor na região lateral do joelho que ocorre devido ao atrito repetido do trato iliotibial contra o epicôndilo lateral do fêmur.

O trato iliotibial é uma fáscia que se localiza na parte lateral da coxa e é responsável principalmente pela estabilização ântero-lateral do joelho.

Este trato sofre atrito com a parte óssea lateral do fêmur quando o joelho flete a aproximadamente 30°. A sobrecarga e o atrito repetido desta estrutura contra o osso provocam a inflamação da fáscia.

O atleta geralmente percebe a dor na região lateral do joelho durante a atividade, e a cada treino, pode aparecer mais precocemente. Muitos atletas relatam sentir fisgadas durante a atividade, e muitas vezes intensas. Quando esta se torna mais crônica, pode incomodar em atividades cotidianas como subir e descer escadas.

São causas comuns do surgimento da Síndrome do Trato Iliotibial:

● Encurtamento da banda iliotibial;
● Fraqueza do músculo glúteo médio e maior ativação do músculo tensor da fáscia lata;
● Aumento abruto da intensidade do treinamento – treinamento sem orientação de um profissional;
● Pronação excessiva dos pés;
● Calçado inadequado para seu tipo de pé;
● Posicionamento incorreto dos pés no pedal da bike – uma dica é posicionar o pedal com o calcanhar aproximadamente 6° para fora
● Altura incorreta do banco da bike;
● Corrida em terrenos irregulares, subidas e descidas em excesso;
● Joelho varo (arqueado para fora), torção tibial ou epicôndilo lateral do fêmur anormalmente saliente.

E o que fazer quando a dor aparecer?

● Uso de gelo no local – 20 min 3 x /dia
● Tente encontrar dentre as causas acima o que pode estar acontecendo com você e procure corrigi-las;
● Faça um alongamento suave do trato iliotibial e do ventre do tensor da fáscia lata;
● Procure um profissional adequado (médico e fisioterapeuta de desporto) para um exame clínico preciso e possíveis exames complementares para confirmação do diagnóstico.


Grande abraço a todos!!!

2 comentários:

  1. Valeu Rafa, serviu d+, inclusive o video... Abçs,Léo.

    ResponderExcluir
  2. Adorei, me ajudou muito, valeu

    ResponderExcluir